Setembro foi o mais quente da história, afirma serviço de mudança climática europeu

O mês passado foi o mês de setembro mais quente já registrado, com temperaturas excepcionalmente altas registradas na Sibéria, no Oriente Médio e em partes da América do Sul e Austrália, disse o Serviço de Mudança Climática Copernicus (C3S) da União Europeia na quarta-feira (6).

Estendendo uma tendência de aquecimento de longo prazo causada pelas emissões de gases que retêm o calor, as altas temperaturas neste ano desempenharam um papel importante em desastres, desde incêndios na Califórnia e no Ártico até inundações na Ásia, dizem os cientistas.

“À medida que entramos em um mundo ainda mais quente, certos extremos tendem a acontecer com mais frequência e ser mais intensos”, disse o cientista sênior da Copernicus, Freja Vamborg, à Reuters, apontando para as ondas de calor e períodos de chuva intensa como exemplos disso.

Globalmente, setembro de 2020 foi 0,05ºC mais quente do que o mesmo mês em 2019 e 0,08ºC mais quente que em 2016, anos que tinham os dois maiores recordes já registrados, mostraram os dados do Copernicus.

Nos últimos três meses de 2020, eventos climáticos como o fenômeno La Niña e os baixos níveis projetados de gelo marinho do Ártico no outono influenciarão se o ano como um todo se tornará o mais quente já registrado, disse o serviço da Copernicus.

G1
16:00:02

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: